Toy Wing Modelismo em geral. Download de Plantas e Aeromodelismo.   

Esquadrilha da Fumaça comemora 60 anos percorrendo o país

No Comments

O Fantástico embarca junto com os pilotos em uma missão especial: percorrer oito estados em 10 dias, sobrevoando capitais e pequenas cidades.

Um giro sobre o Brasil a 60 metros de altura a 500 km/h! O Fantástico embarca com a Esquadrilha da Fumaça em uma missão especial: percorrer oito estados em 10 dias, sobrevoando capitais e pequenas cidades.

A preparação da viagem é em Pirassununga, São Paulo. Na Academia da Força Aérea, são treinados os pilotos da Esquadrilha. Hoje, eles são 13. Eles são herdeiros dos pilotos que começaram essa história há 60 anos, inventando acrobacias na Escola de Aeronáutica do Rio de Janeiro. A brincadeira virou coisa séria. O repertório chega a 55 acrobacias.

A viagem de aniversário começa em Pará de Minas. E já no primeiro voo, aparece o segredo do sucesso da esquadrilha: não há idade para ser fã das manobras dos pilotos. “É aquela hora que parece que vai bater e também aquela hora que parece que eles perdem o controle”, conta Gabriel Lopes Rodrigues, de 8 anos. “É a inteligência da pessoa, andar naquelas alturas, fazer as piruetas, andar de bruços, de barriga pra cima, tudo isso emociona a gente”, comenta o aposentado José Bernardes de Oliveira.

Um avião risca o céu de Salvador. Na plateia, está um fã muito especial. É a primeira vez que o capitão Boeri se apresenta para a família. “É uma emoção muito grande ter um filho na Esquadrilha da Fumaça”, aponta Eduardo Boery, pai de piloto.

O público vai às alturas. “Meu Deus, que coisa linda. Chega a doer o coração. Na hora em que cruza, é lindo demais”, elogia a aposentada Zélia Moraes.

Quando passa sobre cidades menores, a Esquadrilha provoca o mesmo encantamento. Foi assim em Pedro Segundo, no interior do Piauí. “Gostei muito. E todo mundo gostou da boniteza”, diz Seu Luiz.

No Sertão da Paraíba, muita gente vê a Esquadrilha a Fumaça pela primeira vez. Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, no Ceará, é uma cidade religiosa, acostumada a olhar pra o céu. E os pilotos seguem os romeiros. “Não consigo levantar sem fazer uma oração nem dormir sem uma oração”, revela o Capitão André da Silva, piloto da Esquadrilha da Fumaça.

Agora, vamos mudar o ponto de vista e ver o que os pilotos veem. Uma câmera mostra a orla de Maceió, as dunas de Natal e Praia da Boa Viagem, em Recife. Tudo do alto. Na manobra de um avião, o azul do céu e o azul do mar trocam de lugar. Em Teresina, no Piauí, nós vamos participar dessa missão e realizar o sonho de muita gente: voar com a Esquadrilha da Fumaça.

Para pilotar um desses aviões, é preciso no mínimo 1,5 mil horas de voo, e o nosso repórter vai de carona. A viagem é turbulenta e balança um bocado. A sensação é de insegurança e parece que os aviões vão se chocar a qualquer momento. Com o tempo, ele revela que se sente mais à vontade até para tirar a máscara.

De cabeça para baixo, o sangue do corpo se concentra na cabeça. Os movimentos bruscos castigam, com a pressão na cabeça e no abdômen. A manobra conhecida como espelho, com três aviões invertidos e outros três embaixo deles, é para o repórter o momento mais inesquecível.

De volta à terra firme, ele desce do avião ainda mais admirado pelos pilotos da Esquadrilha da Fumaça. Há 60 anos, eles ficam de ponta-cabeça para fazer o Brasil olhar para o alto e sonhar. “A Esquadrilha mora no meu coração”, declara a dona de casa Judith Pereira.

 

Fonte: Fantastico

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 10 outros assinantes

No Comments

    Deixe uma resposta

    This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

    Aeromodelismo | Plantas | Dicas | Download